PUBLICIDADE

Bem-Estar

Aspectos da depressão que outras pessoas desconhecem

1. Não me deixei “vencer”, não sou fraca
Moça sem depressão nadando
As pessoas desconhecem que este transtorno mental não se apodera de alguém porque a pessoa se deixou vencer, por não enfrentar as coisas, por se permitir ser escravo das circunstâncias ou não saber agir.
Devemos entender que as pessoas que sofrem de depressão já se culpam por tudo o que acontece.

Se, além disso, fazemos com que acreditem que é sua responsabilidade ter se deixado “vencer”, alimentaremos seu estado.

O entorno pessoal em que vive a pessoa ansiosa, deprimida ou que simplesmente atravessa um período de estresse, pode agir como um “catalizador” ao intensificar ainda mais a sintomatologia.
Estamos diante de um transtorno mental que não surge de forma espontânea, por causa de um comportamento incompetente diante das pressões do entorno, isso precisa estar claro.

Na maior parte das vezes, os gatilhos de uma depressão são vários.
Podem até serem orgânicos, por causa de um déficit de certos neurotransmissores, ou um caso em que há a falta dessas substâncias, fazendo com que a pessoa se sinta bloqueada e desolada.

2. Não, não vou me curar em um mês, os medicamentos são a solução total
Outra falsa crença de muitas pessoas é pensar que esses processos psicológicos se resolvem com um simples tratamento médico.
Os remédios não resolvem por si mesmos a raiz do problema.
Na nossa sociedade, muitas pessoas têm uma taxa de colesterol nas nuvens e um nível de ânimo rente ao chão. Nada disso se resolve exclusivamente com os ingredientes ativos de um comprimido que tomamos depois das refeições.
Também não estamos diante de uma doença que se trata e que desaparece após um ou três meses.

Em geral, a depressão é uma doença recorrente.
Isso implica que necessitaremos de estratégias psicológicas adequadas para que essas técnicas de enfrentamento sejam uma constante em nossa vida, algo ao que nos apegaremos para não voltarmos a cair.

Para isso, necessitamos também do apoio de pessoas queridas.
Se nos repetem todos os dias “como você está hoje? Não se preocupe, em um mês você vai superar isso”, o que estarão fazendo será intensificar ainda mais a ansiedade da pessoa que sofre.

3. Tenho uma depressão e não foi causada pela tristeza
Associar “tristeza” com depressão é um clássico. É necessário esclarecer essa ideia para termos uma visão mais precisa do assunto:
A tristeza é uma emoção básica que experimentamos em situações negativas: por perdemos um ser amado, quando algo que desejamos não ocorre…
A tristeza vai e vem. É como a alegria, o nojo, a raiva…
No entanto, uma depressão é uma DOENÇA, e, nessa doença, há pensamentos recorrentes marcados pela tristeza, mas também há anedonia (perda da capacidade de sentir prazer), fantasias suicidas, medo, sensação de culpa…
É um labirinto pessoal muito complexo, no qual a tristeza é apenas um fio desse tecido escuro.

4. Desejo estar sozinho, mas não quero que você se afaste de mim
Algumas pessoas sentem a contraditória sensação de desejar o isolamento e a solidão, mas, ao mesmo tempo, precisam da ajuda do seu entorno.
Essa realidade psicológica e emocional não é algo que a pessoa deprimida dirá em voz alta.
Assim, é essencial que quem faz parte do círculo social desse ser que sofre saiba ser intuitivo, receptivo ou provedor desse apoio que não julga, que está presente e que ajuda.