Segurança

Presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do estado de São Paulo visita Dracena e se reúne com delegados da região

A presidente do Sindpesp e delegada Raquel Kobashi Gallinati junto aos demais delegados de polícia da cidade e região, na reunião ocorrida no final da tarde de terça-feira, na Seccional em Dracena (Foto: Viviane Santos/JR)

Na tarde da terça-feira, 14, que passou a presidente do Sindpesp, Raquel Kobashi Gallinati esteve na cidade em visita e reunião na Delegacia Seccional de Dracena.

No final da tarde desta última terça-feira, 14, a presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) e delegada Raquel Kobashi Gallinati, esteve em Dracena, para uma visita e reunião marcada com os delegados de polícia da região, na sala da Delegacia Seccional de Dracena.

Além dos delegados de polícia da região, esteve presente na reunião, o delegado assistente da Delegacia Seccional de Polícia de Dracena, Feres Cury Karam e a imprensa local.

A presidente do Sindpesp e delegada Raquel Kobashi Gallinati esclareceu que há um desmonte e sucateamento da Polícia Civil de São Paulo, no qual segundo ela, não há uma perspectiva de melhora. “A Polícia Civil do estado de São Paulo está em crise, os dados são alarmantes, não há dúvidas da política de segurança pública, em que deixou a polícia investigativa no segundo plano”, disse.

Ainda segundo ela, há uma grande defasagem em números de policiais com quadro pessoal estagnado. “Não bastasse esse quadro e não ter acompanhado o crescimento populacional, são mais de 8 mil cargos vagos para serem preenchidos e o resultado disso, pode ser constatado por qualquer pessoa que vá a delegacia.”

De acordo com a presidente e delegada Raquel Gallinati, cerca de 260 municípios estão sem delegados. “Isso equivale a 40% dos municípios do estado de São Paulo, dezenas de distritos com portas fechadas, policiais sobrecarregados e escalas extintas de plantão e atrasos nas investigações.” analisa.

Conforme Raquel, outro dado que assola é a Polícia Civil envelhecida, em que 3% dos policiais civis têm menos de 30 anos e 44% dos delegados têm mais de 50 anos.

A presidente da Sindpesp ainda falou a respeito dos salários pagos aos policiais no estado de São Paulo. “Além do descaso dos efetivos, uma política que não valoriza. Os delegados de polícia, por exemplo, possui uma das piores remunerações do Brasil.” disse.

Segundo o delegado assistente da Delegacia Seccional de Polícia de Dracena Feres Cury Karam, a visita e a reunião da presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo com os delegados da região tornaram-se importante porque toda a categoria com base sindical, precisa saber do pensamento dos seus dirigentes e aquilo que pode ser reivindicado. “As reivindicações do sindicato dos delegados de polícia são muito grande, então eles vêm oferecer uma visão mais atualizada da nossa carreira, em termos governamentais, tudo aquilo que o delegado precisa saber”, disse.

 


Por Carlos Volpi Da redação / Portal Regional

PUBLICIDADE





PUBLICIDADE